Ebenezer Howard e a Cidade-Jardim

Baseando-se em grande parte na observação das péssimas condições de vida da cidade  liberal, Ebenezer Howard, em livro publicado originalmente em 1898, propôs uma alternativa  aos problemas urbanos e rurais que então se apresentavam. O livro “To-morrow” (chamado “Garden-cities of To-morrow” na segunda edição, em 1902) apresentou um breve diagnóstico sobre a superpopulação das cidades … Continue lendo… →

O planejamento sistêmico/racional-abrangente

Conforme vimos em um post anterior (O urbanismo), as primeiras abordagens de intervenção em cidades eram muito mais ligadas à tradição arquitetônica do que à do planejamento urbano como nós o conhecemos atualmente. Havia, portanto, a concepção de plano como um design físico, um projeto de cidade a ser alcançado dentro de um certo período … Continue lendo… →

Advocacy planning

O artigo “Advocacy and pluralism in planning“, publicado originalmente em 1965, pode ser considerado um dos grandes clássicos da teoria do planejamento. Para comprovar isso, basta notar que praticamente todas as compilações recentes de textos sobre planejamento o incluem. Nele, Paul Davidoff faz uma defesa do pluralismo no planejamento urbano, entendido como a possibilidade de … Continue lendo… →

Kevin Lynch e a imagem da cidade

Kevin Lynch é um dos grandes autores do Urbanismo, responsável por uma das obras mais famosas e mais influentes: A Imagem da Cidade. Nela, ele destaca a maneira como percebemos a cidade e as suas partes constituintes, baseado em um extenso estudo em três cidades norte-americanas, no qual pessoas eram questionadas sobre sua percepção da … Continue lendo… →

O urbanismo

O urbanismo, enquanto disciplina, nasceu como uma reação aos problemas trazidos pela Revolução Industrial. Após a intensa industrialização experimentada nessa época, as cidades sofreram um enorme crescimento populacional ocasionado principalmente pelo êxodo dos trabalhadores rurais em direção às cidades, em busca de empregos e melhores condições de vida. Isso ocasionou uma grande deterioração da qualidade … Continue lendo… →

Jane Jacobs e os parques de bairro

Em um post anterior sobre espaços públicos, já comentei um pouco sobre as teorias de Jane Jacobs sobre os requisitos para que as praças e parques públicos tenham vitalidade. Suas idéias são tão importantes para o Urbanismo e têm tanto impacto sobre o modo como entendemos a cidade que vale a pena aprofundar um pouco … Continue lendo… →

Problemas “capciosos”

Estive relendo há pouco tempo o texto “DILEMMAS IN A GENERAL THEORY OF PLANNING”, de Rittel e Webber (1973), que é um texto muito interessante. Nele, os autores argumentam que os problemas sociais, tais como os enfrentados pelo planejamento, não são como os problemas relacionados à engenharia, matemática ou mesmo às ciências naturais e, portanto, … Continue lendo… →

Características do planejamento

Davidoff e Reiner, em seu ótimo artigo “A choice theory of planning“, publicado originalmente em 1962 (!) levantam as seguintes características como definidoras do planejamento: 1. A realização (achievement) de objetivos O planejamento busca a realização de alguns objetivos, em função dos quais são definidos os meios. É um processo intencional de obtenção de situações … Continue lendo… →

Espaços públicos

Este post é o resultado de uma pequena revisão de literatura sobre o tema dos espaços públicos (praças, parques, etc.), e pretende fazer uma síntese do assunto e remeter a outras referências úteis. Importância dos espaços públicos Os espaços públicos desempenham diversas funções para a cidade. Entre elas, estão: Recreação; “Respiro” para o ambiente urbano … Continue lendo… →

Decisões em planejamento

Eu gosto muito de uma abordagem do planejamento que o entende como um processo complexo de tomada de decisões. O texto clássico dessa abordagem é de Davidoff & Reiner (1973) – A choice theory of planning. Segundo ela, o planejamento nada mais é que escolher entre as alternativas possíveis aquela que melhor responde aos objetivos. … Continue lendo… →