O que é plano diretor?

Não é tarefa fácil construir uma definição do que seja um plano diretor, uma vez que estes têm sido alvo de diversas definições e conceituações, e suas características têm variado de município para município. Percebendo isso, Villaça (1999) enfatiza a falta de uma conceituação amplamente aceita para o que seja plano diretor, argumentando que não existe um consenso entre os atores envolvidos na sua elaboração e utilização – engenheiros, urbanistas, empreendedores imobiliários, proprietários fundiários, etc. – quanto ao que seja exatamente esse instrumento.

Algumas tentativas de definição:

[Plano diretor é o] Instrumento básico de um processo de planejamento municipal para a implantação da política de desenvolvimento urbano, norteando a ação dos agentes públicos e privados. (ABNT, 1991)

Seria um plano que, a partir de um diagnóstico científico da realidade física, social, econômica, política e administrativa da cidade, do município e de sua região, apresentaria um conjunto de propostas para o futuro desenvolvimento socioeconômico e futura organização espacial dos usos do solo urbano, das redes de infra-estrutura e de elementos fundamentais da estrutura urbana, para a cidade e para o município, propostas estas definidas para curto, médio e longo prazos, e aprovadas por lei municipal. (VILLAÇA, 1999, p. 238)

É plano, porque estabelece os objetivos a serem atingidos, o prazo em que estes devem ser alcançados [...], as atividades a serem executadas e quem deve executá-las. É diretor, porque fixa as diretrizes do desenvolvimento urbano do Município. (SILVA, 1995, p. 124 – grifos no original)

O Plano Diretor pode ser definido como um conjunto de princípios e regras orientadoras da ação dos agentes que constroem e utilizam o espaço urbano. (BRASIL, 2002, p. 40).

Pessoalmente, me agrada mais esta última definição, introduzida após a aprovação do Estatuto da Cidade e obedecendo aos seus princípios. Segundo a definição adotada, o plano diretor deve ser um instrumento que orienta todas as ações concretas de intervenção sobre o território, independentemente do fato dessas ações serem levadas a cabo pelos indivíduos, pelas empresas, pelo setor público ou por qualquer outro tipo de agente.

Portanto,

Plano diretor é um documento que sintetiza e torna explícitos os objetivos consensuados para o Município e estabelece princípios, diretrizes e normas a serem utilizadas como base para que as decisões dos atores envolvidos no processo de desenvolvimento urbano convirjam, tanto quanto possível, na direção desses objetivos. (SABOYA, 2007, p. 39)

Dizer que o plano é um documento significa que ele deve ser explicitado, ou seja, não pode ficar implícito. Ele precisa ser formalizado e, no caso do Brasil, essa formalização inclui a aprovação de uma lei do plano diretor na Câmara.

Em segundo lugar, o plano deve explicitar os objetivos para o desenvolvimento urbano do Município. Quando se deseja planejar algo, um elemento fundamental é poder responder à pergunta: “O que eu quero?” ou: “O que nós queremos?”. Esses objetivos não são “dados”, ou seja, não estão definidos a priori. Eles precisam ser discutidos democraticamente e consensuados de alguma maneira. A diversidade das cidades faz com que seja normal a existência de objetivos conflitantes e, por isso, discutir sobre os objetivos pode ajudar a encontrar soluções que contemplem mais de um ponto de vista.

planejamento_grafico
Para poder planejar é preciso saber onde se quer ir. O plano diretor deverá definir o caminho a ser seguido.

Através do estabelecimento de princípios, diretrizes e normas, o plano deve fornecer orientações para as ações que, de alguma maneira, influenciam no desenvolvimento urbano. Essas ações podem ser desde a abertura de uma nova avenida, até a construção de uma nova residência, ou a implantação de uma estação de tratamento de esgoto, ou a reurbanização de uma favela. Essas ações, no seu conjunto, definem o desenvolvimento da cidade, portanto é necessário que elas sejam orientadas segundo uma estratégia mais ampla, para que todas possam trabalhar (na medida do possível) em conjunto na direção dos objetivos consensuados.

O zoneamento é um instrumento importante nesse sentido, já que impões limites às iniciativas privadas ou individuais, mas não deve ser o único. É importante também que estratégias de atuação sejam definidas para as ações do Poder Público, já que essas ações são fundamentais para qualquer cidade. A escolha do local de abertura de uma via, por exemplo, pode modificar toda a acessibilidade de uma área e, por consequência, seu valor imobiliário.

Outros exemplos de diretrizes podem ser vistos no artigo Planos diretores como instrumento de orientação das ações de desenvolvimento urbano. O importante é que o plano defina o caminho, que seja capaz de direcionar as iniciativas isoladas para que, no conjunto, o todo seja maior que a soma das partes.

Referências bibliográficas

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NB 1350 - Normas para elaboração de plano diretor. Rio de Janeiro, 1991.

BRASIL. Estatuto da Cidade: guia para implementação pelos municípios e cidadãos. 2 ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Coordenação de Publicações, 2002.

SABOYA, Renato. Concepção de um sistema de suporte à elaboração de planos diretores participativos. 2007. Tese de Doutorado apresentada ao Curso de Pós-Graduação em Engenharia Civil – Universidade Federal de Santa Catarina.

SILVA, José Afonso. Direito urbanístico brasileiro. São Paulo: Malheiros, 1995.

VILLAÇA, Flávio. Dilemas do Plano Diretor. In: CEPAM. O município no século XXI: cenários e perspectivas. São Paulo: Fundação Prefeito Faria Lima – Cepam, 1999. p. 237 – 247.

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 4.8/5 (13 votes cast)
O que é plano diretor?, 4.8 out of 5 based on 13 ratings

67 Comments

  • Beny godoy disse:

    OLÀ Renato! 16 Abril 2013. Moro em uma cidade, que foi formada por meio de invasão, não existe escritura dos lotes urbanos e não existe plano diretor. Em 2007 foi criada uma lei municipal, que só o prefeito proibe uo aprova uotros loteamentos(rurais e urbanas),de 2007 para cá já ouve outros loteamentos sem as exigencias da lei.tenho dúvidas cunto a essa lei, vc pode me falar algo a respeito ou como devo agir?.

    VA:F [1.9.22_1171]
    Rating: 0 (from 4 votes)
  • Giba disse:

    Sr. Godoy ,, aconselho o Sr. Buscar apoio junto ao Ministerio Publico – MP de sua cidade ou da região,,,,

    Boa sorte

    Att,
    Giba

    VA:F [1.9.22_1171]
    Rating: +2 (from 2 votes)
  • ELIDE LIMA disse:

    Estarei escrevendo uma Dissertação de mestrado e gostaria de receber + informações sobre o Plano diretor como instrumento de gestão pública municipal com ênfase na controladoria ambiental.
    obrigada

    VA:F [1.9.22_1171]
    Rating: +1 (from 1 vote)
  • Participei e ajudei a elaborar o Primeiro Fórum de Debates Sobre Plano Diretor do Brasil em 1989 e participei da elaboração do Plano Diretor Rural de Limeira em 1991 como Coordenador e lamento que uma ideia tão brilhante que são os Planos Diretores tenham sido deturpadas ao longo do tempo, então deixarei aqui a minha definição de Pano Diretor.
    Plano Diretor é um projeto que tem que ser POLITICAMENTE conveniente, SOCIALMENTE aceitável, TECNICAMENTE exequível e ECONOMICAMENTE viável com um conjunto de informações e dados para o desenvolvimento da cidade em harmonia com a região com uma visão mínima de 50 anos, administrado por um conselho de cidadão de segmentos representativos da cidade e servirá de base para estabelecer critérios para gestão e elaboração de Leis de uso e ocupação do solo, Leis de conduta social, Leis de condutas técnicas , etc.

    VA:F [1.9.22_1171]
    Rating: 0 (from 0 votes)

Deixe uma resposta

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *